Poetisa Leidiana S. Silva

Poetisa Leidiana S. Silva
********

sábado, 21 de outubro de 2017

DE REPENTE AMIGO

Vou lhe contar um repente
De repente vou contar
Outro dia conheci...
Um rapaz lá do Ceará

Pense num cara legal
Pense num cara maneiro
Daquele tipo que você
Conversaria o dia inteiro

Aquela pessoa humilde
Muito mais do que legal
Um cara tipo nota dez
Uma pessoa excepsional

Um rapazinho esforçado
Um cabra trabalhador
Daquele tipo sossegado
Mas também conversador

Bem comunicativo
Um cara falador
Aquele tipo amigo
E também respeitador

Visivelmente olhando
Um cara sofredor
Que pela sua família
Tem por demais amor

Eu queria conhecer
Mais pessoas assim
O tipo gente seria
Igualmente a mim

Pena que nem todo mundo
Tem esse jeito de ser
A maioria das pessoas
Não sabe te compreender

Já o rapaz que conheci
E nunca mais o vou ver
Parecia ser meu amigo
Desde mesmo o nascer

Uma pessoa dinâmica
Legal mesmo, e educada!
Aquele sim é gente boa
O resto acho até piada

Pois você fala: e te ignora
Na precisão: nunca quer te ajudar
Mas quando ele é quem precisa
Logo vai te incomodar

Desse tipo de gente já cansei
Já este rapaz, muito admirei
Sempre quis amigo como ele
E infelizmente nunca encontrei

Pessoas boas passam e se vão...
Já às ruim em sua vida querem ficar
Por isso é que eu tanto desejo
Mais gente assim na vida encontrar.

O ACONTECER DO AMOR

"O amor sempre acontece
Quando menos se espera!
Com o vermelho da paixão
Ou o colorido da aquarela"

Mancinho ou avassalador...
Bem assim que é o amor!
Pois causa muita alegria
E, às vezes... causa dor...

Um sentimento profundo
Tão fundo quanto o mar
Quem mergulha no amor
É certo que vai se molhar

Aventureiro é o amor
O fleixeiro da emoção
E o seu algo principal
É um nobre... coração

O amor surpreendente
Começa sem... avisar
Quando menos se espera
Amando a pessoa estar

Grandíssimo aventureiro
Abravador de emoção
O destemido explorador
De endurecido coração

Verdadeiro inconsequente
Começa sem nem planejar
E continua... aumentando
Sem medo de se arriscar

Conhecido desconhecido
Surpresa surpreendente
É o mistério misterioso
Do coração e da mente

Chama de fogo ardente
Que queima sem se ver
Pois o fogo do amor
Se acende dentro de você

Só podia ser mesmo, "amor"
O sentimento mais profundo
O "mais" sublime sentimento
O "maior" que tem no mundo

Nada, nada supera o amor
Sentimento outro algum
No ranking de sentimento
O "amor" é o número hum

Defeitos e qualidades
Tudo... no mundo tem
Inclusive o próprio amor
Defeitos tem também

Pois ele é ciumento
Às vezes possessivo
E, para piorar...
Até briga sem motivo

É um grande defeito
Mas dá para compreender
Pois o amor quando ciúma
É  por medo de perder

O amor ama calado
Grita sem barulho fazer
O amor é um chama viva
Seu coração a aquecer

E o mais impressionante
É que ele vive de momento
Hora triste, hora alegre
Assim é esse sentimento

Do nada o amor "nasce"
De repente acontece
Assim como o dia claro
De repente anoitece

E esperando ou não
O amor vai acontecer
E a chama da paixão
Em breve vai se acender

Você vai o amor viver
Vai amar, rir e chorar
Passará por toda etapa
Até o amor concretizar

Pois assim é o amor
Complicado, mas... perfeito
Em cada pessoa em um grau
Em cada pessoa de um jeito.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

UM DRAMA SERTANEJO

A tal da seca do Sertão
Eu vou falar para você
A coisa lá tá é muito feia
Faltando água pra beber

Lá no Norte, no Sertão
Não tá boa a situação
Pois a seca é tão grande
Que está rachado o chão

Lá não cresce um feijão
Só mesmo o mandacaru
E por sorte a mandioca
Da farinha e do beiju

Seca lá dura três anos
Quatro, cinto e até seis
Isso tudo é verdade
Do que falo pra vocês

Outra coisa que acontece
Vou dizer o quê que é...
Pobre torra milho e arroz
Para fazer o seu café

Mas não é por gosto não
É por falta de opção
Pois o café tá tão caro
Quanto o gás do botijão

Por isso que no Sertão
É de lenha o fogão
E se usa mais graveto
Por a lenha tá em extinção

Sabe aquele velho ditado
Tomo banho quando chover
Lá ninguém fala mais isso
Pois tem medo de feder

A chuva os tem castigado
Deixando o povo de lado
Tá faltado até água
Pra matar a sede do gado

Imagina para o banho
E outras necessidades
Por isso o Sertanejos
Muda para outras Cidades

Essa é a realidade
De muita gente sofrida
Que até mesmo hoje em dia
Está faltando a comida

Falta a água, falta o pão
Falta o leite e o feijão
Falta uma vida digna
Para um povo no Sertão

Que todo dia olha pro céu
Desejando chuva cair
E até mesmo desejando
Um lugar para fugir

Fugir do sofrimento
Daquela calamidade
Desejando um milagre
Uma chuva de passagem

Ver uma nuvem lá de longe
E fala está chovendo ali
Se bem que aquela chuvinha
Podia chover um pouco aqui

Pois o que nunca falta lá
É a fé no coração...
E a esperança que um dia
Caia neve no Sertão

Que o frio estacione lá
Mande embora o calorão
E em vez de rachadura
Nasça algo naquele chão

Que nasça grama, capim
Ou mesmo mato rasteirão
Dispensando o nascimento
Da tal urtiga e cansação

Todo povo sertanejo
É um pouco sonhador
Esforçados de pequeno
Povo humilde e sofredor.

sábado, 2 de setembro de 2017

O CICLO DAS ÁRVORES

Cai no chão uma semente
E logo vem a brotar
Surgindo uma mudinha
Que numa árvore vai virar

Então os anos passam
E as árvores crescem
Os troncos sobem
E os galhos descem

Nascem às flores
Depois cai flor por flor
E ai de repente
A árvore frutificou

Crescem as frutas
E logo elas amadurecem...
Então os frutos caem
E as árvores de novo florescem

E não para por aí...
Tem a mudança de estação
Onde às folhas todas caem
E começar a renovação

E na velhice da árvore
Vem o tronco a engrossar
E a sua cor verdinha
Logo começa a marronzar

E de repente...
O tronco fica cinzento
Uma coisa mágica
Tipo coisa de momento

Pois hoje está verde
E vai marronzando
E daí sem vida
A árvore vai secando...

Coisa da natureza
Real... não invento!
Coisas da vida;
E não de momento!

É o ciclo das árvores!
Da natural... natureza...
Com todo o seu mistério
E também a sua beleza.

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

VAI... QUE EU VOU

Vai.. vai... vai...
Vai que eu vou também
Vai... que vai... que vai...
Vem, que vem, que vem

Vai... que vai e vem
Vai... não fica não!
A pé ou de charrete
De carro ou de avião

Vai... vai de Jaguar
Ou vá de Limusine
Aprenda o caminho
E ao voltar ensine...

Ao encontro do sucesso
Vá ao encontro da vitória
Nunca olhe para trás
Para trás nunca se olha

Olhe sempre para frente
Olhe e caminhe também
Busque sua felicidade
Vá a procura do seu bem

Quando achar seu bem estar
Quando estiver bem instalado
Ver se não vai se esquecer
De quem esteve do seu lado

Vai... vai... vai...
Vai... que eu vou também
Ao encontro de um renovo
De algo que te faça bem...

Vai... vai... vai...
Vai que eu também vou...
Ao encontro da alegria
Ao encontro do amor

Vai... vai... vai...
Vai... ali e vai... acolá
Todo mundo está indo
Eu é que não vou ficar.