quarta-feira, 6 de setembro de 2017

UM DRAMA SERTANEJO

A tal da seca do Sertão
Eu vou falar para você
A coisa lá tá é muito feia
Faltando água pra beber

Lá no Norte, no Sertão
Não tá boa a situação
Pois a seca é tão grande
Que está rachado o chão

Lá não cresce um feijão
Só mesmo o mandacaru
E por sorte a mandioca
Da farinha e do beiju

Seca lá dura três anos
Quatro, cinto e até seis
Isso tudo é verdade
Do que falo pra vocês

Outra coisa que acontece
Vou dizer o quê que é...
Pobre torra milho e arroz
Para fazer o seu café

Mas não é por gosto não
É por falta de opção
Pois o café tá tão caro
Quanto o gás do botijão

Por isso que no Sertão
É de lenha o fogão
E se usa mais graveto
Por a lenha tá em extinção

Sabe aquele velho ditado
Tomo banho quando chover
Lá ninguém fala mais isso
Pois tem medo de feder

A chuva os tem castigado
Deixando o povo de lado
Tá faltado até água
Pra matar a sede do gado

Imagina para o banho
E outras necessidades
Por isso o Sertanejos
Muda para outras Cidades

Essa é a realidade
De muita gente sofrida
Que até mesmo hoje em dia
Está faltando a comida

Falta a água, falta o pão
Falta o leite e o feijão
Falta uma vida digna
Para um povo no Sertão

Que todo dia olha pro céu
Desejando chuva cair
E até mesmo desejando
Um lugar para fugir

Fugir do sofrimento
Daquela calamidade
Desejando um milagre
Uma chuva de passagem

Ver uma nuvem lá de longe
E fala está chovendo ali
Se bem que aquela chuvinha
Podia chover um pouco aqui

Pois o que nunca falta lá
É a fé no coração...
E a esperança que um dia
Caia neve no Sertão

Que o frio estacione lá
Mande embora o calorão
E em vez de rachadura
Nasça algo naquele chão

Que nasça grama, capim
Ou mesmo mato rasteirão
Dispensando o nascimento
Da tal urtiga e cansação

Todo povo sertanejo
É um pouco sonhador
Esforçados de pequeno
Povo humilde e sofredor.

sábado, 2 de setembro de 2017

O CICLO DAS ÁRVORES

Cai no chão uma semente
E logo vem a brotar
Surgindo uma mudinha
Que numa árvore vai virar

Então os anos passam
E as árvores crescem
Os troncos sobem
E os galhos descem

Nascem às flores
Depois cai flor por flor
E ai de repente
A árvore frutificou

Crescem as frutas
E logo elas amadurecem...
Então os frutos caem
E as árvores de novo florescem

E não para por aí...
Tem a mudança de estação
Onde às folhas todas caem
E começar a renovação

E na velhice da árvore
Vem o tronco a engrossar
E a sua cor verdinha
Logo começa a marronzar

E de repente...
O tronco fica cinzento
Uma coisa mágica
Tipo coisa de momento

Pois hoje está verde
E vai marronzando
E daí sem vida
A árvore vai secando...

Coisa da natureza
Real... não invento!
Coisas da vida;
E não de momento!

É o ciclo das árvores!
Da natural... natureza...
Com todo o seu mistério
E também a sua beleza.